segunda-feira, 31 de março de 2008

Mássimo em: entrevistas mínimas II

Já que nosso amigo Ethan Rom do seriado Lost não foi liberado pelo Mr. Linus para a entrevista, convidamos nosso genérico Ethan Whon para ser entrevistado. Com menos de um ano no barril, Ethan Whon já fez coisas muito boas. Começou basicamente como qualquer outra bebida - uma garrafa industrial com bebida dentro - o Bacardi, mas percebeu que poderia ser bem mais promissor que isso e assim mudou de nome e assumiu uma nova personalidade, era o nascimento de Whon.

Nestes rápidos 10 meses de destilação, já conseguiu agrupar mais de 12 mil pessoas bêbados em sua comunidade de maior sucesso, coisa difícil em tempos atuais e ainda por cima virou articulador bêbado deste blog que vos escreve.


Professor Mássimo – Corre o boato de que o senhor é paraguaio e causa imensa dor de cabeça após duas doses, é verdade?

Ethan Whon - Non és verdád, yo soy un ciudadano legítimo Inglés. Voy a manejar este blog por difamación!

Continue lendo

sexta-feira, 28 de março de 2008

Entrevista - Ethan Who

Com menos de um ano de experiência, Ethan Who já fez coisas muito boas. Começou basicamente com qualquer outro - uma letra seguida de uma exclamação - o S!, mas percebeu que poderia ser bem mais promissor que isso e assim mudou de nome e assumiu uma nova personalidade, era o nascimento de Who.

Nestes rápidos 10 meses de criação, já conseguiu agrupar mais de 12 mil pessoas em sua comunidade de maior sucesso, coisa difícil em tempos atuais e ainda por cima virou articulador deste blog que vos escreve.

Pra completar e, quem sabe, dar um empurrãozinho nessa sua carreira, uma entrevista para você conhecer o básico deste criador.

Whan! - Conte-nos, como você teve a idéia de começar a criar comunas numa época onde parecia que este “mercado” já estava consolidado?

Ethan Who - Sempre fui muito fã do C! e do B!. Sabe, quando não tinha nada para fazer ficava vendo as comunidades que não conhecia ainda. Pulando de relacionada em relacionada. Chegou uma hora que eu já conhecia todas as comunidades deles e estava em pelo menos metade delas. Ficava sempre na expectativa, esperando comunidades novas. Aí conheci outras comunidades de outros moderadores, engraçadas também, mas não como as dos dois. Então um dia parei e pensei em ser um criador também. A idéia nasceu de um dia para outro mesmo, e no dia 8 de maio de 2007 eu criei o profile e fiz minhas primeiras comunidades (guardem essa data, pois é meu aniversário).


Whan! - O começo de sua empreitada deve ter sido longo e duro, como suas comunidades foram ganhando espaço fazendo você entrar de vez no meio?

E.W. - Não sei muito bem a resposta dessa. Veja bem. Quando comecei, devia ter umas cinco comunidades. De repente estava com dez. Quinze.. e foi indo. Lembro que no começo minhas idéias eram fracas. Minhas melhores – e mais cheias - comunidades na época eram as “Viadagem”, que era uma série, acho que umas quatro na época. Não sei se alguém sabe, ou se reparou, mas elas são paródias das comunidades de “Paquera” do C!. A “Viadagem no Churrasco” foi crescendo, mas no começo era difícil de uma comunidade chegar aos 100 membros. Então criei outra série, a “Que isso, sou macho...”. As idéias começavam a ficar melhores e comecei a aparecer mais entre os “entradores de comunidades”. Elas foram enchendo, até chegar no que são hoje.


Whan! - A princípio você era conhecido como S!, mas mudou de nome e avatar não faz muito tempo. Por que esta mudança? Já desgastou ser uma letra exclamativa?

E.W. - Eu já estava me incomodando de toda hora alguém falar do C! e do B!. Além do mais, quando eu criei o S! era porque minha visão de criação de comunidades se resumia a eles. Depois de um tempo vi que tinha um mundo oculto por debaixo desses trilhos (frase de livro). Passei a conhecer e gostar de outros bons criadores: Victor Ramos, Gordo Nerd, Danilo Miranda, Cafeta, Gregório Wannabe e alguns outros.

Outra coisa que me fez mudar foi essa coisa de letra+exclamação ser sinônimo de criador compulsivo. Não quero ser conhecido por ter 1000 comunidades, e sim por ter boas comunidades.


Whan! - Quando tomaram conhecimento de suas criações e vinham te elogiar (ou não), como você lidava?

E.W. - Sempre respondi todos os elogios, assim como faço hoje em dia. Nunca deixei de responder ninguém e aí de quem me desmentir. No começo não tinham muitos, mas depois passou a ter um número considerado razoável de elogios no scrapbook. Eu gosto disso. Fico feliz em saber que tem alguém reparando nas bobeiras que faço. E gosto de responder scraps.


Whan! - A comunidade “Paixões: comer, meus amigos” é de um humor simples e atraiu mais de 10 mil pessoas. Você acha que a simplicidade é a chave?

E.W. - A Paixões é um caso engraçado. Nunca foi a que eu mais apostava como “futuro sucesso”. Começou como todas as outras, com poucos membros com o passar dos dias. Então o Pedro pediu para mediar a comunidade e eu o coloquei como mediador. Uns dias depois ela tinha 200 membros. Demorou uns meses pra aumentar mais 100 membros. Foi aí que ela cresceu de uma maneira que nem eu sei explicar, e em agosto já tinha mil membros. Não sei o que atrai as pessoas. Se é o número de gente que está nela, ou se é porque ela realmente é engraçada. Mas a paixões representa metade do que me tornei até hoje. Ela é simples, inteligente e direta.


Whan! - Este humor inerente de muitas comunidades do orkut pode ser considerado um novo palco para humoristas, já que piadas por e-mail ou em sites vão por uma outra vertente?

E.W. - Não sei se é um novo palco. Creio que sim. Quem sabe um dia esses criadores de comunidades sejam todos lembrados e homenageados na mídia. É um humor recente, que surgiu faz poucos anos. A diferença é que é um humor inteligente, por isso não atinge todas as classes e nem todas as idades. É diferente de você contar uma piada de gago fanho, por exemplo. Prefiro o humor orkutiano.


Whan! - Enquanto uma pessoa não faz nada de especial ninguém vem atrás, mas ao criar comunidades e galgar uma fama mesmo que virtual a página de recados enche-se de ‘marias-comunidade’; Você acha que o mundo atual de hoje se baseia nos interesses?

E.W. - Com certeza. Não diria bem o mundo, mas no Brasil é assim. Em terra de orkut quem tem comunidade grande é rei.


Whan! - A opção de ser um fake para se dedicar as criações é para manter a discrição na sua vida pessoal?

E.W. - Também. A principio foi criado mais para seguir o padrão B! e C!. O profile fake serve para outra utilidade também, que vocês não precisam saber.


Whan! - Por ser fake a curiosidade de encontrar seu perfil pessoal é grande. Já te descobriram?

E.W. - Não. Já tentaram... já chegaram perto.. mas nunca descobriram. Existem aqueles que sabem que sou o Ethan, mas isso foi antes da criação dele. Tenho amigos que sabem. Dos que me conhecem por Ethan, acho que a Ana é a que está mais próxima de saber quem sou (oi Ana =)).


Whan! - Mesmo sendo um perfil que não é 100% real, essa fama que você conquistou tem algum ponto ruim?

E.W. - Não. Adoro isso. Hahahaha! Gosto quando alguém fala que riu com algumas comunidades minha. Outro dia ouvi alguém comentando da Paixões na sala de aula. Isso porque as pessoas que estavam comentando nem me conheciam. Isso foi uma ida as nuvens para mim.


Whan! - O que você pode dizer da sua vida pessoal a título de curiosidade?

E.W. - Não sou nenhum velho pedófilo e muito menos uma criança metida a adulta. Não sou mano maloqueiro vid4 lok4 e pago todas as minhas contas (meu cartão está até positivo). E tem muitas coisas sobre o controlador desse criador de comunidades que poucos imaginam (levantando uma sobrancelha com uma música de suspense ao fundo).


Whan! - Para finalizar, “Ethan Who” fez sua vida mudar de alguma forma?

E.W. - Essa pergunta é difícil. Não sei se melhorou por causa dele, mas ela não piorou. Apesar de ser um pseudônimo, a identidade e o psicológico do Ethan é parecido com o meu, então as comunidades são todas um reflexo dos meus pensamentos. A partir daí pode-se imaginar como sou.


-perguntas sugeridas pelos fãs:

Stephany - Quero saber qual comu dele ele mais gosta.
Ethan - Sem pensar duas vezes: Paixões.


Taffarel - Faz Publicidade?
Ethan - Não posso responder. Pode ser que sim, como pode ser o contrário.


Débora - Que tipo de música o Ethan gosta?
Ethan - Deixo transparecer um pouco do meu gosto musical nas postagens do blog. Posso dizer que gosto de Beatles. O resto vocês podem deduzir.

***

perfil de Ethan - www.orkut.com/Profile.aspx?uid=5201658087197205208

comunidade "Paixões: comer, meus amigos" - www.orkut.com/Community.aspx?cmm=33870971

***

Semana que vem (4/04) quem entra na rodinha de entrevistas é o Gordo Nerd, não esqueça.

Continue lendo

quarta-feira, 26 de março de 2008

Confessionário do Mássimo I

Uma vez fui assaltar um banco e vi uma caneta dando sopa sobre o balcão. Porra, a caneta nem era tão bonita ou chique, mas fui tomado por um impulso praticamente incontrolável, pois gostei da caneta. Aproveitei que todos estavam com a cara contra a parede, as mãos na cabeça e afanei o objeto, escondendo-o dentro do saco com os 15 milhões.

Confesse seu crime também.

Continue lendo

terça-feira, 25 de março de 2008

Prevendo e Moralizando II

Sorte de hoje: Você se dará bem na expansão dos negócios

Isso é claro, meu negócio está em constante expansão, uma hora eu vou me dar bem.

Continue lendo

Máximas do Mássimo VIII

Desocupados leitores e DESOCUPADAS LEITORAS,

Basta-me comprar mais uma casa de massagem e me ausentar por algumas horas que o rebuliço já toma formas colossais. Vou tentar responder algumas perguntas que me fizeram e prestar esclarecimentos ao fisco.

Carlos disse:
Professor Mássimo, responda esta pergunta: Quem é Gregório? Quem é essa pessoa que veio bagunçar o coreto? Tenho certeza que vc sempre tem as respostas! Eu sou vc, vc sou eu? Somos todos?

HAHAHAHHAHAHAHAA


Resposta: Gregório (retrato falado ao lado) é nosso gerente de operações especiais da internet, um cara que garante a contribuição de um grupo importante na determinação do impacto na agilidade decisória do blog. Pensando em longo prazo, a crescente influência da mídia é uma das conseqüências das diretrizes de desenvolvimento para o futuro. Assim mesmo, a execução dos níveis de audiência do blog aponta para a melhoria das regras de conduta normativas. Desta maneira, o desafiador cenário globalizado ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança do processo de comunicação como um todo. Caros desocupados, a percepção das dificuldades afeta positivamente a correta previsão dos modos de operação convencionais. É isso que ele faz e vejam na imagem acima o último retrato falado dele nas minas de carvão que existem na Sibéria. Podem mandar sua cartinha, prometo enviar para ele, que terá seu espaço merecido dentro deste blog (com o aval do nosso querido patrão).

Nosso detetive e dono do boteco nos passou informações preciosas de que os comentários onde nossas identidades foram fu(n)didas vem do norte, mas pelo número de IP ainda não identificamos o estado, mas vale lembrar que infelizmente eu ainda não expandi meu império de pornografia e perdição para aqueles cantos, mas conclamo a nação e a receita federal para cantar a canção dos exilados, cujo a letra eu esqueci.

A pessoa que veio entornar o caldo provavelmente é alguém que acessou o computador de uma das casas de massagem da concorrência. Essa gente quer me difamar ao me colocar em igual pé aos puxa-sacos que me adulam. Pior ainda me acusarem de ter múltiplas personalidades, isso é uma calúnia. Enfiarei meu rg no traseiro de cada pessoa que me questionar e ainda por cima me chamar de pobre.

Eu realmente desvio a atenção das pessoas, pois eu sou o Mássimo. E este momento de humildade eu reservo para você que me lê, me ama e me assiste todos os dias. E não percam, semana que vem tem entrevista com Ethan Rom (foto acima), o pseudo-médico de Lost, que terminou morto com uma mangueira de incêndio enfiada no fiofó.

Abraços,
Professor Mássimo

Continue lendo

Rapidinhas: De Beatles à Miley Cyrus

Morre o quinto Beatle

Neil Aspinall morreu em Nova York, segundo comunicado feito por Paul McCartney e Ringo Starr em Londres na última terça-feira. Neil tinha 66 anos e era o chefe da gravadora Apple. Era considerado o quinto Beatle e estava internado no Memorial Sloan-Kettering Câncer Center.


Hannah Montana na Globo

A popular série americana Hannah Montana terá sua estréia na Rede Globolo de Televisão no dia 5 de Abril (sábado). A série, original da Disney Channel, já está em sua 2ª temporada. O enredo mostra como Miley Stewart (interpretada por Miley Cyrus) esconde seu maior segredo: ela é Hannah Montana, uma cantora popular e muito famosa. Miley Cyrus tem apenas 15 anos, mas segue a linha de grandes talentos revelados pela Disney Channel.

O último video clipe de Miley, Start All Over, tem passado bastante na MTV. E é um clipe bem legal mesmo.



Start All Over


Continue lendo

segunda-feira, 24 de março de 2008

Prevendo e Moralizando I

Sorte de hoje: O vício de hoje pode se tornar a virtude de amanhã

Moral, posso ser maconheiro hoje e amanhã ganhar com uma clínica de reabilitação.


update

comentário -
Fernando disse...

Você fuma maconha hoje e amanhã pode ter uma plantação de maconha voltada para a exportação, gerando empregos e renda;
yeah!

Continue lendo

Mássimo em: entrevistas mínimas I

Com uma gelatinosidade extremamente alta e com muita dispersidade coloidal, Dona Gel conquistou milhões de pessoas com suas propriedades milagrosas, que se difundem nos cabelos e outras partes mais populares, dentre seus mais variados temas.

Ela nos concedeu uma entrevista com tudo o que é essencial para conhecer esse seu hobby tão conhecido.


Professor Mássimo - Como você se sente ajudando milhares de pessoas com cabelo desgrenhado?

Dona Gel - Não tenho nada a declarar.

Continue lendo

sexta-feira, 21 de março de 2008

Entrevista - Dona Geo

Com uma simpatia extremamente alta e com muito bom humor, Dona Geo conquistou milhões de pessoas com suas comunidades, que se difundem no orkut dentre seus mais variados temas.

A criadora mais popular na rede nos concedeu uma entrevista com tudo o que é essencial para conhecer esse seu hobby tão conhecido na internet.

Whan! - Como se sucederam as primeiras criações? Você tinha noção que algum dia suas comunidades iriam atingir as proporções de hoje?

Assim que eu entrei no Orkut achei interessantes as comunidades, e percebi que qualquer usuário do Orkut poderia criar. Minha idéia era ter uma comunidade que falasse de outras comunidades, reunisse algumas interessantes, e conhecer outras comunidades, chamava-se “Eu adiciono comunidades” hoje é “Adicionar Comunidades”, a partir disso eu encontrei no Orkut um local pra escrever.

Não imaginava que alguma comunidade poderia ter a marca de 800.000 membros

Nem que estaria dando uma entrevista sobre elas...


Whan! - Em que momento você deixou de ser apenas mais uma criadora e passou a ser a “Dona Geo”?

Quando eu comecei a criar não havia disputa entre moderadores, nem uma ambição em ser reconhecido como dono de comunidades, começou a ficar diferente quando surgiram comunidades do tipo, “eu amo a Dona Geo”, “adoro a Dona Geo”, “todo mundo quer conhecer a Dona Geo” eu achava e ainda acho um tanto exagerado esse tipo de comunidade e não participava, até que uma hora um perfil meu lotou e pessoas me pediam para fazer um outro perfil para que eu pudesse adicioná-las, achei estranho mas enfim, acabei criando outros, comecei a participar das comunidades em homenagem a Dona Geo. Quando comecei a perder noção de quais eram minhas comunidades ao certo, e vi que estava ocorrendo muito plágio delas, comecei a identificá-las com uma marquinha nas fotos, DG, depois disso alguns moderadores passaram a fazer o mesmo, achei legal, como se eu tivesse influenciado alguém.

Falaram-me que “Dona Geo” era “famosa” mas até então eu não sabia que o fato de ser dono de comunidades no Orkut pudesse transformar alguém em “celebridade” (e ainda não acho).


Whan! - Você imaginava que essa história de criar comunidades e ter sucesso com elas ainda seria uma coisa disputada no Orkut?

Não. Não pensava que seria a disputa que é hoje, pessoas desesperadas para terem uma comunidade grande, passarem tanto tempo no orkut analizando estatísticas sobre crescimentos das comunidades, os roubos de comunidade que acontecem, e me deixa indignada o fato de alguém querer se beneficiar roubando a comunidade, a idéia, os pensamentos de outra pessoa, é lamentável, mesquinho.

Orgulho-me de ter comunidades grandes sim, mas me orgulho mais ainda em saber que elas são minhas, que é a minha idéia compartilhada com milhões de pessoas, e não se eles se importam com quem é o dono, mas saber que o pensamento é meu, essa satisfação só tem os moderadores que criaram as próprias comunidades.

Ter uma comunidade grande no Orkut para muitos é sinônimo de ter fama, e não usar esse “poder” para algo além.

É um prazer enorme quando vejo uma citação minha na descrição do perfil de alguém que eu nunca vi, apesar de nem todos colocarem a “fonte”, mesmo assim, sei que são as minhas palavras, é gratificante quando pessoas me escrevem agradecendo pelas comunidades, elogiando, é gostoso ler.


Whan! - Como você lidava com as pessoas que iam te adicionando e declaravam-se fãs de sua pessoa?

Ria muito a principio. Eu? Ter Fã? Não levava a sério...

Eu simplesmente criei comunidades, é legal ver que tantas pessoas se identificam com as idéias, mas fã eu achava um exagero, ainda acho.

Sou famosa em relação a quem?

Tudo bem que eu “estou na Globo” (na comunidade, como moderador) mas não sou atriz, modelo, cantora, atleta, escritora... eu não estou na mídia.

Mesmo assim era e é muito gratificante ler que alguém que eu nunca vi, talvez nunca vá ver na vida, tem um carinho especial por mim, apreciou, se identificou, compreendeu algo em alguma das minhas criações, ou simplesmente viu que não era o único em relação a alguma questão.

Não deixo subir a cabeça o que me falam, sei que as pessoas gostam da imagem da Dona Geo, mas só a conhecem através de um site de relacionamento, um personagem virtual.

Tento tratar a todos com simpatia, tento responder a maioria, mas é complicado conseguir responder a todos os recados, principalmente lidar com aqueles que querem se tornar íntimos...


Whan! - Com essa popularidade toda você de alguma forma tirou proveito dessa fama?

Proveito não, essa “fama” eu não conheço, talvez no Orkut seja mais fácil para eu conseguir algumas outras comunidades pra relacionar as minhas.

Agora na parte pessoal, “Dona Geo” não faz muita diferença, até então, na vida real da Geovana.

Tento manter Dona Geo apenas no Orkut, não deixar que isso influencie agora na minha vida pessoal, tanto que são poucas pessoas que me conhecem pessoalmente por Dona Geo e muitos dos meus amigos não estão nem ai para o Orkut, mas quando eu falo que vou por alguma foto engraçada deles em comunidades, ai eles são mais “bonzinhos” comigo...

Tenho algumas propostas pra analisar, é possível que Dona Geo se torne uma marca fora do Orkut, nada confirmado.

Mas se alguém quiser me dar um carro, roupas, apartamento, entre outras coisas por eu ser a Dona Geo, fique a vontade! (risos)


Whan! - Qual é a pior coisa de ser muito conhecida na internet?

Intimidade. Muitas pessoas acham que porque acompanham meu perfil, minhas comunidades, podem dizer quem sou eu, podem me definir, me julgar...

Fora alguns comentários maldosos que acontecem, isso na vida de qualquer pessoa, independente se a pessoa é conhecida ou não, não tenho muito do que reclamar.

Tenho que tomar cuidado muitas vezes na maneira de responder alguns scraps, as fotos que posso colocar no álbum, fotolog, queira ou não a Dona Geo é uma imagem a zelar. (risos)

A Dona Geo é como um personagem, um fake de mim mesmo, acho que as pessoas deveriam ter conhecimento disso. Sou eu nas fotos sim, sou eu quem escreve, mas Dona Geo é um exagero da Geovana, a Dona Geo é exageradamente sentimental, exageradamente “non-sense”, exageradamente querida, exageradamente otimista, exageradamente pessimista, exageradamente emotiva, exageradamente sarcástica, exageradamente educada, vocês nunca verão a Dona Geo ser grossa com alguém, agora a Geovana da vida real se precisar...


Whan! - Andando por aí já te reconheceram por causa do orkut?

Não. Nunca aconteceu isso comigo, não sei se não chegaram a reconhecer, mas me parar para perguntar se eu sou a Dona Geo ou não, isso nunca...

Maringá não é uma cidade pequena, mas mesmo no Orkut pouquíssimas pessoas que são daqui me adicionam.

Agradeço, pois não saberia como reagir à situação, muita gente pode não acreditar, mas eu sou tímida.


Whan! - Suas comunidades vão de temas amorosos para situações corriqueiras e até para o humor mais non-sense que pode existir. Da onde surgiram e surgem tantas idéias para essa variedade de assuntos?

Idéias surgem de qualquer fato, é só observar o que acontece ao seu redor, seus amigos, família, o comportamento das outras pessoas e com uma imaginação fértil, tudo fica mais fácil.

Já passei por vários tipos de situações, muitas confusões, sempre tento tirar delas lições, seja boas ou ruins, “nada acontece por acaso”, tento entender o porquê elas acontecem.

Lembro de muita coisa da minha infância, acredite, fui uma criança que deu um tanto de trabalho pra orientação do colégio e para catequistas, quando adolescente, lembro bem como foi passar a fase rebelde dos quinze, já sofri muito, já fiz sofrer, viajei muito, tive muitas aventuras, enfim, já fiz muitas coisas.

Eu tenho contato e convivo com vários tipos de pessoas, das mais encantadoras as mais repulsivas, das mais calmas as mais drásticas, das mais felizes as mais depressivas, de diferentes classes sociais, culturais, estilos, gostos, religiões, pontos de vista, faixa etária. Gosto de descrever o que observo deles também, às vezes com exagero, às vezes como quem não quer nada, outras vezes apenas para informar, orientar, desabafar ou dar indiretas.

Consigo ver humor em quase tudo, assim como drama em quase tudo também, alguns dos conselhos que eu dava a amigos meus, desabafos e declarações se tornaram inspiração para as comunidades de citações e pensamentos. Mas como a vida não é apenas flores e tudo tem os dois lados, vários sarros, micos, decepções, revoltas, frustrações, minhas e de meus amigos, se tornaram inspiração para as comunidades “non-sense”, onde meu lado sarcástico “deita e rola”. Tudo isso acontece com trilha sonora, sempre tem uma música pra tudo e para todos, sou daquelas que aprecia a música clássica, mas curte um rock, assim fazer comunidades com temas musicais não fica difícil.


Whan! - Acha que o Orkut sirva como um lugar em que você pode escrever o que você não pode ou não consegue dizer?

Sim e Não.

Encontrei no Orkut o lugar mais “democrático” e prático para as pessoas se expressarem, mas não expressar apenas idéias minhas e sim idéias.

Comecei criando comunidades muito comuns de fatos e idéias bem gerais que reuniram muitas pessoas, mas em três anos escrevendo no Orkut, assim como a vida muda, as criações, os focos e temas das comunidades mudaram também.

Eu sou tímida, mas não sou de ficar calada, o que mais gosto é poder dar oportunidades para as pessoas terem voz também, que encontrem de alguma forma identificação nas minhas palavras e consigam a partir delas terem e expressarem as suas próprias idéias.

Gosto de estimular as pessoas a pensarem sobre as próprias atitudes, sobre as atitudes das outras pessoas, sobre a vida, dos acontecimentos mais banais aos que mais marcam.

A Dona Geo me dá a possibilidade de criar muitas comunidades me colocando no lugar de outras pessoas, tentando entender a visão delas, sentimentos, mágoas ou receios.

Muitas vezes não é que as pessoas não consigam dizer o que pensam, mas sim falta a oportunidade de poder se expressar da maneira que querem, de conseguirem serem “ouvidas” e muitos usuários do Orkut utilizam as comunidades para falar um pouco do que cada um sente, do que gosta, do que pensa. Isso serve para mim também.


Whan! - Você encara o Orkut e suas comunidades criadas como um hobby, uma diversão. Mas de alguma forma suas idéias, textos, frases, pensamentos “atingem” várias pessoas, você pensa nisso quando surge uma nova idéia para uma possível comunidade?

Hoje sim. Hoje eu sei que sou uma influência no Orkut, como diz o avô do Spider Man:

“Um grande poder, trás uma grande responsabilidade”, no começo eu não estava muito preocupada com nada, apenas em me divertir, hoje eu tenho preocupações com os “leitores” sim, vi que se eu tenho o “poder” de ser “lida” no Orkut, que isso possa ser com responsabilidade, que isso possa ser útil.

Uma das minhas grandes preocupações é com os adolescentes que estão na rede, me preocupo com a cabeça da juventude, que são o futuro.

Sei que não posso salvar ninguém, mas se eles me “escutam” se minhas idéias, pensamentos, gosto musical atingem várias pessoas, espero ser uma “boa” influência.

É muito preocupante observar os “novos” Ídolos da adolescência e, para mim, a grande maioria está perdida buscando identificação, muitas vezes quando encontram, não são das melhores. Há muita hipocrisia no mundo, o Orkut não poderia ser diferente.

Por mais que pareça banal criar comunidades de citações, acredito que ter contato com algo de grandes pensadores, filósofos, escritores, que ler trechos de músicas de compositores do passado, compositores não tão conhecidos, é muito válido para que pelo menos estimule a curiosidade das pessoas em conhecerem algo além, para isso tento usar uma linguagem simples, bem comum, muitas vezes sendo curta e direta e algumas vezes sendo sarcástica e irônica, sem baixar o nível.

Acho incrível o dom que as pessoas têm em transformarem as coisas em piores que elas são, sofrerem tanto por antecipação, pensar mais no pior que no dar certo. Acho que lidar com a realidade é muito mais fácil, ter coragem e assumir riscos da vida são muito mais válidos, é triste ver alguém perder a fé em sim mesmo, ainda mais quando faz isso por conta dos pensamentos e crítica das outras pessoas, tento achar maneiras de dizer isso à elas, sempre tentando ver um lado positivo em tudo, sei que a vida não é fácil, mas se não for assim, fica difícil se sentir bem consigo mesmo.

Acredito que aceitar os desafios da vida como crescimento e não apenas como barreiras, insistir na felicidade e não desistir, ser feliz por si mesmo sem depender, se agrada a todos ou a ninguém, ser aceito por ser você mesmo, é o que todo mundo quer.


Whan! - Em uma época em que ser criativo no Orkut, ter idéias boas que ninguém teve ainda, como você mesma descreve com a comunidade “O que ainda não é comunidade”, não é fácil. Você ainda está na “ativa”, criando ultimamente comunidades engraçadas e bem originais, descobriu enfim o que ainda não é comunidade e que muita coisa ainda pode virar uma?

“A vida não pára”.

Tem muita coisa que pode ser comunidade, eu não escrevo nem metade das idéias que eu tenho, mas concordo também com a visão das outras pessoas que pensam que é difícil ter uma grande idéia para comunidades, gosto dessa contradição, é um desafio conseguir surpreender alguém.

Eu separei as criações das comunidades por estilos em perfis distintos, “pensamentos gerais”, “letras de música”, “sarcásticas e irônicas” e “citações e pensamentos”.

Ultimamente tenho feito mais sobre os dois últimos, criando comunidades “falidas”- aquelas que eu sei que não vão lotar - elas tem um público alvo também, aqueles que não gostam de comunidades lotadas.

E está sendo muito legal conseguir criar comunidades com citações minhas, e também explorar um lado mais sarcástico.


Whan! - Com esses anunciantes de hoje em dia, você já embolsou algum capital com as comunas? Ou ainda, já vendeu alguma comunidade? Dá pra revelar o valor?

Sim, anuncio em algumas comunidades alguns sites, o valor fica em off, mas nada que de para pensar em não trabalhar, Orkut continua sendo apenas um hobby.

Agora sobre vender comunidade foi um fato engraçado, eu havia anunciado que venderia uma comunidade, coloquei um preço ilusório, R$ 0,10 por membro... gerou uma polemica incrível (e muitas risadas).

Muita gente levou a sério e achava um absurdo eu querer vender uma comunidade, enquanto isso eu recebia vários depoimentos com ofertas para compra, mas não vendi não, acabei trocando ela por outra, muita gente achou loucura eu trocar uma comunidade de 200.000 pessoas por uma de 200...

Bom, é só ver o nome da comunidade que me pertencia, “Já fiz cada coisa”.


Whan! - Alguma vez um fã de tão chato ou inconveniente chegou a te estressar?

Sim. Não me estresso fácil, não gosto de perder meu tempo em discussões inúteis, para me tirar do sério tem que ser muito bom, mas realmente alguns abusam... Não acho que era um fã, acho que era alguém com déficit de atenção ou afeto, o que acontece muito no Orkut, alguns vêm descontar frustrações no meu perfil, eu me esforço para ser compreensiva, não ser mal educada, mas algumas vezes é difícil abstrair alguns fatos... tem muita gente carente no Orkut, por isso mesmo não gosto de conversar pelo Msn, quase não o uso, mas isso são casos raros, não tenho muito que reclamar dos meus “fãs”, gosto muito dos recados que recebo, é legal em alguns dos perfis a “disputa” que eles fazem para ter o depoimento no “topo”, alguns me ajudam muito, se tornaram moderadores, provam que se importam comigo sendo eficientes, se preocupam em serem prestativos, ajudam, e desta maneira ganharam meu reconhecimento e minha atenção.


Whan! - Você tem conhecimento das estatísticas de seus perfis e comunidades?

Não, às vezes olho quantos visitantes diários de um ou dois perfis, mas no total não sei mesmo, muito menos dos crescimentos das comunidades. Vários moderadores ficam indignados por eu não acompanhar as estatísticas, perco parcerias por não saber informar ao certo quanto as comunidades crescem, enfim eu não me preocupo muito com isso não, sei que se levasse a “sério” o Orkut, teria já comunidades acima de um milhão de pessoas, mas para quem já tem sete milhões de membros reunidos em todas as comunidades... Não me dou a todo esse empenho. Sou folgada sim.


Whan! - Pra finalizar, o orkut de alguma forma mudou sua vida?

Como Dona Geo até agora muito pouco, só passei a observar mais atentamente as situações e quando alguma merecia destaque, pensava em como transformá-la em uma comunidade.

É estranho quando me falam que sou uma das pessoas mais conhecidas na rede, até mesmo por não ter noção do quanto eu seja conhecida.

Posso dizer que através do Orkut conheci pessoas que mudaram um tanto minha vida sim, mas acho que “mudar” a vida é um termo muito extremo, são contatos que seriam muito difíceis de acontecerem apenas pessoalmente.

Já aconteceu muita coisa por causa do Orkut, não por ser Dona Geo, mas isso renderia uma entrevista à parte... (risos)

Sei que o Orkut me abriu muitas portas, mas só com o tempo vou saber o quanto isso pode mudar e interferir na minha vida.

***

um dos perfis da Dona: www.orkut.com/Profile.aspx?uid=12365562740699944014

comunidade para os adoradores: www.orkut.com/Community.aspx?cmm=21356019

***

Sexta que vem (28/03) é a vez de Ethan Who passar por nossas perguntas tão afáveis. Não deixe de perder.

Continue lendo

quinta-feira, 20 de março de 2008

Máximas do Mássimo VII

Um ocioso escreveu o seguinte:

Anônimo disse:
e por que o coelho foi escolhido como símbolo da páscoa?

chocolate é droga?



Resposta: O coelho foi escolhido pois caga redondo. Agora se chocolate é droga, mande sua pergunta para uma fábrica de chocolate. Eles terão o enorme prazer em te responder.

Continue lendo

Conselho para a páscoa


Antes de tudo quero alertar para todos que me lêem: não dirijam na contra-mão, eu sei que agora é moda, mas é muito perigoso, mas quero iniciar esta postagem com um e-mail que recebi de um amigo muito próximo. Naturalmente quem pede alguma opinião sobre mulher está – positivamente – pedindo um conselho inútil. Foi o caso deste meu amigo.

Dar conselhos sobre isso é inútil e não foi descoberta de nós homens, embora quase todos cheguem a esta conclusão depois da segunda ou terceira namorada, já que somos muito precoces, não é mesmo? Para quem não está no mundo da lua, que nem a Ania, é fácil de se chegar nesta conclusão, assim como é fácil ver com o tempo que existem mulheres que amam sem o menor sentimento de fidelidade, mulheres que são fidelíssimas sem amar, mas o pior vem agora: Nenhuma mulher é igual com dois homens diferentes. Então por que tem gente que pede conselho sobre mulher? Está certo que sou um dos maiores conquistadores vivos, mas pedir conselho sobre mulher? Homens, é perda de tempo.

Este amigo que não quer ser identificado pediu que escrevesse estas mal traçadas palavras para opinar sobre uma mulher que ele ama, que é infiel e que – apesar de tudo – tem por ele muito amor e carinho. Expliquei pra ele que mulher só trai quando se sente diminuída, por dúvida ou por não confiar em seu próprio taco (figura retórica, minha gente!) e que a traidora é muito mais passível de martirização que o traidor.

Só que infelizmente eu respondi pra ele antes do meu Mercedes furar o pneu, senão eu teria respondido que: Quando uma quebrar, você usa outra.

O que as desocupadas acham desta filosofia de vida? Não é machismo, eu juro!

Abraços aos desocupados,
Professor Mássimo

Continue lendo

'Pela Última Vez' desvendada

As músicas muitas vezes vão além do que parece estar na letra, mas ninguém saca os grandes pensamentos ou até as histórias inteiras que estão nas entrelinhas.

Esse caso acontece com uma música que toca na rádio, todo mundo já ouviu, mas que mesmo assim não entendem o significado da canção. Essa tal composição é a “Pela Última Vez”, do Nx Zero.

Pode parecer mais um Rock/Pop que tem todos os elementos pra fazer sucesso e por isso faz, mas ao contrário, é uma letra tão bem escrita que toda a ação é subjetiva, fora do que está sendo cantado.

Perceba:

Não eu não vou te deixar ir embora assim

Nada vai funcionar sem você aqui

Mas algo me diz "meu mundo vai cair em pedaços"

A primeira parte é bem direta e já dá logo pra perceber que se trata de uma garota que dá fora no cara. Mesmo assim ele tenta uma volta, mas sem muita chance.

E quanto aos nossos planos?

E todas as promessas?

Agora é muito tarde pra tentar me desculpar

Eu sei nada vai mudar mas tenho tanta coisa pra falar

Sobre você, sobre mim, sobre nós

Tente me ouvir agora

E pela última vez

E pela última vez eu

Quero que prometa

Todo o seu destino é meu

Ele lembra a dama sobre os planos que os dois mantinham e os bons momentos que passaram juntos (E quanto aos nossos planos?/E todas as promessas?/tenho tanta coisa pra falar/Sobre você, sobre mim, sobre nós), sabe que é tarde pra se desculpar, mas mesmo assim pede pela última vez que ela ouça ele, mas claro que a ex nem dá a mínima para o pobre rapaz.

Agora o mundo me deixa sem defesa

Todos me olham, mas realmente ninguém vê

Ninguém vê que estou sozinho, agora tenho que esquecer

Passado o conflito com a moça, ele liga o foda-se e sai para algum lugar, ver se descola alguém. Porém, como se nota, ele não arruma ninguém, se sente sozinho e tenta esquecer (Todos me olham, mas realmente ninguém vê/Ninguém vê que estou sozinho, agora tenho que esquecer), mas não consegue.

Você me deu muito mais do que palavras

Quando tudo não passava de ilusão

Eu nunca te agradeci por ser sempre assim

Como ele já pediu, mas os dois não voltaram e ainda por cima não conseguiu ficar com ninguém, agora é hora de partir para as ameaças. “Você me deu muito mais do que palavras” quer dizer exatamente o que sua mente suja está pensando, ela deu muito apoio pra ele, se é que você me entende.

Eu sei nada vai mudar mas tenho tanta coisa pra falar

Sobre você, sobre mim, sobre nós

E aí ele joga uma ironia, algo assim “Se você não quiser voltar, eu tenho muita coisa pra falar de todos nós”. Claro, um casal íntimo como deviam ser sabiam muita coisa um do outro e isso ligado ao fato que ela deu muita coisa pra ele, provavelmente até fotos devem ter desses momentos. Ou seja, ela dá uma ameaçada legal nela dizendo que se nada mudar ele sabe muito bem o que fazer com as informações que ele tem sobre ela, como colocar as fotos na internet e contar os podres dela pra todo mundo.

Tente me ouvir agora

E pela última vez

E pela última vez eu

Quero que prometa

Todo o seu destino é meu

E pela última vez

E pela última vez eu

Quero que prometa

Todo o seu destino é meu

E o meu destino é seu

Espere onde estiver

A nobre companheira estremece na base e logicamente aceita em voltar com o rapaz, esses “pela última vez” quer dizer que é a última chance que ele dá pra ela pensar e logo em seguida já vão se encontrar (Espere onde estiver).

Depois disso, na música em versão acústica, há alguns gemidos que para muitos são apenas jogos da voz pra dar mais sonoridade, no entanto isso está diretamente ligado a todo esse significado. Ela dava muito pra ele e logo na volta dos dois já dão aquela rapidinha pra comemorar.

Get this widget | Track details | eSnips Social DNA

Sem dúvida, totalmente amoral.

Continue lendo

Panic e sua (grande) influência em Beatles

Para aqueles que fizeram uma comparação do último clipe feito pelo Panic At The Disco à época Sgt. Pepppers dos Beatles - leia-se MTV, ou mais especificamente a vj que apresenta o top 10 - é porque não esperaram o álbum inteiro para uma avaliação mais detalhada. Uma semana antes do lançamento de Pretty.Odd, o novo cd da banda de Las Vegas, o site da MTV norte-americana disponibilizou as músicas na internet. Os fãs que esperavam algo parecido com o A Fever You Can’t Sweat Out acabaram se decepcionando.


Pretty.Odd.

1. We're So Starving
2.
Nine In The Afternoon
3. She's A Handsome Women
4.
Do You Know What I'm seeing
5.
That Green Gentleman
6. I Have Friends In Holy Spaces
7.
Nothern Downpour
8. When The Day Meet The Night
9.
Pas De Cheval
10. The Piano Knows something I Don't Know
11.
Behind the Sea
12.
Folkin' Around
13. She Had the World
14. From A Mountain In The Middle Of The Cabins
15.
Mad As Rabbits



A banda mudou sua sonoridade e aparência, mesmo que na música de abertura do álbum (We're So Starving) Brendon cante "You don't have to worry ‘cause we're the still the same band" (Você não precisa se preocupar porque nós ainda somos a mesma banda). E então temos Nine in The Afternoon, atual single. She's a Handsome Woman e Do You Know What I'm Seeing mostram muito bem essa mudança da banda. Mais maduros, com certeza. Nessa última, Do You Know What I'm Seeing, podemos perceber a semelhança com os Beatles. No minuto 01:44 ouvimos o que seria a sonoplastia de patos ao fundo. Se são realmente patos só o mágico estúdio da Abbey Road pode nos responder (Pretty.Odd foi gravado na Abbey Road. Coincidência?).

Depois desse início diferente temos That Green Gentleman, onde Brendon já começa a música com uma explicação do álbum "Thing are shaping up to be pretty odd" (As coisas estão se tornando bem estranhas) e mais adiante na música ele canta "Things have changed for me, and that's okay. I fell the same" (As coisas mudaram para mim, e está tudo bem. Sinto-me o mesmo). Já é deixado claro ao fã que é esse tipo de música que está deixando os integrantes da banda felizes. É esse estilo de música que eles querem tocar.

E então chegamos em I Have a Friends in Holy Spaces que, entre todas as músicas do álbum, foi a que mais me lembrou Beatles. Uma música curta, mas muito boa. Northern Downpour é romântica e When The Day met The Night mais uma vez lembra Beatles pela simplicidade, mas muito significado, de sua letra. "In the middle of summer. All was golden in the sky. All was golden when the day met the night" (No meio do verão. Tudo era dourado no céu. Tudo era dourado quando o dia encontrou a noite). Pas de Cheval é agitada.

Chegando a faixa 10 temos a The Piano Knows Something I don't Know. Você chega a pensar que se trata de mais uma música lenta do álbum, mas logo ela se revela animada. Behind the Sea, cantada por Ryan, é muito parecida com Beatles (quase empata com a I Have Friends in Holy Spaces). Folkin' Around é curta e nos leva a uma viagem pelo velho-oeste.

She Had the World é mais uma romantica. "When I look in her eyes, I just see the sky" (Quando eu olho em seus olhos, eu só vejo o céu). Bem na hora que sentiamos faltas daquelas músicas com nomes enormes aparece a From a Mountain in the Middle of The Cabins, que tem a excelente combinação voz do Brendon + piano. Para finalizar o álbum temos Mad as Rabbits, que tem uma ótima sonoridade - uma das músicas novas que mais agradou os fãs.


Pretty.Odd é um álbum com um excelente contraste. Músicas para todos os gostos. Recomendo, principalmente para aqueles que, por alguma razão, não gostavam muito da banda da época do 1º álbum. Para os que se decepcionaram com o Pretty.Odd, procurem ouvi-lo um pouco mais. Prestem atenção em cada música, e aceitem o novo Panic At The Disco. Eles cresceram e não são mais os mesmos do A Fever You Can’t Sweat Out. É bom vê-los cantar o que eles querem no momento, e não o que querem deles. Quem nunca teve curiosidade de ouvir a banda, pode começar pelo Pretty.Odd, que será lançado oficialmente no dia 25 de março. As letras continuam inteligentes, como sempre foram, e o instrumental está fabuloso. As coisas mudaram, mas está tudo bem. Eles continuam o mesmo.



Nine In The Afternoon

Continue lendo

terça-feira, 18 de março de 2008

A verdade sobre o coelho da páscoa

Peço desculpas pela minha ausência neste veículo de comunicação, pois estava comprando mais uma casa de massagem e anexando-a ao meu grandioso império. Tudo bem, esta semana teremos mais uma data clichê: A páscoa.

Até ontem estava indeciso sobre minha posição com o Coelho da Páscoa, mas não resisti e acabei escrevendo esta postagem. Pude perceber que muitos não conhecem a trajetória dele. Não conhecem, por exemplo, que ele era membro do Partidão nos anos 60 e dava curso de formação astrológica para seus jovens militantes, tanto é verdade que no final daquela década ele foi convidado para ingressar na Universidade Walter Mercado. Tampouco sabem que ele é um dos maiores conhecedores, e até os anos 80, um dos maiores admiradores de Benito Mussolini, que adorava cenouras, e principalmente de Guy Debord. Aliás, na Universidade Walter Mercado o Coelho da páscoa ensinava e pesquisava as teorias políticas de opressão por meio da dominação da cultura de massas, se aproximando das teorias Freudianas, das quais mais tarde se tornaria seu maior defensor.

O problema foi quando ele fez uma viagem à China e encontrou um militante trotskista dissidente da 4a Internacional, que pregava que a revolução surgiria por seres mais evoluídos que o homem, que viriam em discos-voadores. Além de mostrar ao Coelho da páscoa seus fundamentos teóricos, mostrou ao nosso bravo Coelho o chá mágico que o fez ter essa revelação transcendental que vemos hoje. Então o Coelho da páscoa ficou capitalista e pior, começou a cagar redondo.

Nesta sua revelação, o Coelho da páscoa percebeu que, talvez se comunicando com estes seres superiores, ele conseguisse expurgar o mal de se beber refrigerante. Claro, o Coelho da páscoa, um cidadão intelectual e culto, não poderia aparecer no “Fala que eu te escuto”. Assim preferiu fazer os tais ovos de páscoa e pregar contra Karl Marx.

No fim aprendemos duas lições com o Coelho da páscoa: Fiquem longe das drogas e dos trotskistas, que no fundo é a mesma coisa.


Abraços,
Professor Mássimo

Continue lendo

segunda-feira, 17 de março de 2008

Semana Páscoa

Em virtude desse feriado bíblico - ouviu? BÍBLICO - o blog está com um coelhinho super tenaz no topo, homenageando a parte capitalista desse domingo.

Ao longo da semana posts especiais escritos pelos articuladores irão aparecer para alegrar seu dia e na sexta inicia-se a nova série de entrevistas com os criadores de comunas no orkut, não perda.

Pra completar, o que você achou dessa arte super elaborada por mim? Comente.

Continue lendo

Faça isso antes de morrer

Devem existir milhares de artigos assim na internet – e muitos provavelmente têm a minha dica – mas é inevitável eu não sugerir simplesmente a melhor coisa pra se fazer no mundo (se bem que sexo ainda não foi testado): voar num Skycoaster.

Para quem não faz idéia do que seja isso, não é nada mais que uma nababesca estrutura de metal na qual são amarrados cabos de aço, os quais vão presos nas costas do retardado da pessoa disposta a pular em queda livre de uma altura que aqui no Brasil varia de 54m a 61m acima do solo, quase um Bang Jump, só que em movimento pendular.

A sensação é única, dá uma primeira impressão de estar flutuando e depois uma muito louca de cair a uma velocidade incrivelmente grande (mais de 100km/h, se não me engano) a 2 metros do solo. O medo pode ser grande, mas compensa.
Foram os 5 minutos mais intensos da minha vida. Até agora.

De qualquer maneira, fica a dica.

Continue lendo

sábado, 15 de março de 2008

Sábado à Noite

E agora, como faz?

Sábado à noite na internet é realmente broxante. Caso você esteja em casa, como eu, aproveite alguns programas alternativos que só a internet pode te oferecer. Você pode, por exemplo, viajar através do mundo usando o Google Earth. Ou então pode assistir a diversos vídeos no Youtube. Ouvir bandas novas no MySpace, procurar por fotologs; não será por falta de opções que você ficará entediado.

Procure também por tópicos de chat no orkut (recomendo o da minha comunidade marketing). Ou melhor; procure por comunidades engraçadas (recomendar as minhas seria muita sacanagem?). Enfim, vá fazer algo. Essa é minha dica.


Blog

Conforme o Felipe falou, em breve teremos diversas entrevistas com vários criadores de comunidade. A minha deverá ser uma das primeiras. E anuncio, em primeira mão – e sem a autorização do Felipe -, que o Gordo Nerd foi um dos entrevistados e irá aparecer por aqui. Outros moderadores ilustres também terão suas entrevistas públicadas. Não aceite imitações! O Whan! contará com as melhores entrevistas.

Para finalizar o assunto blog, eu gostaria de algumas opiniões dos leitores. Estou pensando em fazer algumas “matérias” - se posso chamá-las assim – com biografias de bandas. Mas, no caso, quem escolheria as bandas seriam vocês. Não sei se é uma boa idéia, ou se posso fazer de outro jeito. Novas idéias são bem vindas. O que posso fazer? Como fazer?

E aproveitando o assunto queria fazer um pedido aos que nos lêem. Por favor, vamos comentar os artigos. Nem que seja um simples “:)” ou um “nemli”. Comentários nos dão a idéia de que estamos sendo lidos e que estamos agradando – mesmo que um nemli seja constrangedor.


Tédio? Faz assim

E pra você que não quer fazer nada ou está com preguiça de sair da página, veja esse vídeo que acabei de ver. É um Stand-Up rápido do humorista Bruno Mazzeo (filho do Chico Anysio) no programa do Jô. Eu ri.


Continue lendo

sexta-feira, 14 de março de 2008

Eleja sua letra preferida

Uma coisa totalmente inútil, mas que teve repercussão é uma pequena enquete que fiz no orkut na comunidade "Formas de passar o tempo", com o intuito de eleger a letra do alfabeto mais querida do povo.

Já se somam quase 200 votos, vá lá e faça sua parte.

Continue lendo

It's Britney, *censurado*

Não comentarei sobre os dois últimos grandes shows que tivemos no Brasil (Bob Dylan e Interpol) pelo fato de eu não ter ido neles. Minha renda mensal não é tão alta assim – apesar de Interpol não ter sido tão caro. Portanto, se quiser informações sobre os dois shows vá até as respectivas comunidades.

Pulando do rock pro pop, Britney Spears – Britoca – conseguiu dividir a critica essa semana com o lançamento do seu novo vídeo clipe. Break the Ice, novo single do cd Blackout, agradou alguns e fizeram outros ficarem loucos de raiva. O clipe é todo em estilo animê e, particularmente falando, chega a dar sono em algumas partes. A música não é ruim (alguns até dizem que é a única coisa boa no vídeo), mas o clipe não agradou. Fãs acostumados com clipes onde Britney dança ou atua esperam que Britney apareça em público e diga que o clipe é uma grande Brinks.

O clipe pode ser visto no Youtube, mesmo não tendo sido lançado oficialmente – e por isso o site está excluindo os vídeos. Alguns fãs fizeram a analogia da história do clipe, dizendo que ele mostra a vida de Britney, desde que estourou como a mais jovem promissora do pop até os dias atuais onde tenta se reerguer com seu novo álbum. Só vi uma vez, então não reparei.

Com a critica e os fãs divididos eu preciso assumir um dos lados. Não gostei do clipe. Piece of Me e até o estranho Gimme More são muito melhores. Talvez seja porque eu não goste de animê, ou talvez porque Britoca não aparece em poses super sensuais. Não vou colocar o vídeo aqui porque todos estão sendo apagados do Youtube, mas caso tenha curiosidade é só procurar.



E parabéns ao Blog (atrasado). Façam o que o Mássimo pediu: propaganda nossa. Liguem e mandem e-mails para programas ao vivo da televisão e peçam para comentarem da gente. Saiam com camisetas personalizadase e tudo mais o que tiverem direito. Não podereri pagar o passe de ônibus, mas o obrigado é garantido.

Continue lendo

Questões máximas do Mássimo II

Ontem eu estava me preparando para dormir no meu sono dos justos, quando vi uma de minhas esposas se depilando. Comecei a pensar na forma como elas cuidam dos pêlos do corpo e um dos grandes mistérios é que não consegui descobrir o porquê da mulher por cera quente nas pernas, arrancar tudo num puxão só e ainda ter medo de baratas.

Algum desocupado que me lê pode responder isso?

Continue lendo

Máximas do Mássimo VI

Brasileiros, brasileiras e gringos,

Pelo que vi completamos um mês de blog e parece que ainda não obtivemos lucro. Não tem problema, hoje mesmo vou começar a espalhar uns panfletos debaixo da ponte pro pessoal entrar na internet, nos visitar, assinar o tal do Feed e se der, fazer algum comentário. Peço para todos que lêem este pseudo-periódico: façam propaganda da gente. Nós merecemos e de mim você terá apenas um obrigado e um passe de ônibus.

Agora vamos falar de coisas sérias. Um de meus maiores fãs enviou uma pergunta:

Carlos disse:
Culto Mássimo, o que vc (sic) tem a me dizer destes oito anos de Bush no poder?


Resposta: Olha, não tenho muito a falar sobre isso, já que tenho muitos de meus dólares por lá, mas nomes como Bush, Al Gore, Bush Pai e todos os advogados americanos, estes últimos completamente desconhecidos, logo serão reconhecidos como gênios graças aos meus ditos neste blog. Gosto de ser generoso, inclusive com os texanos e nada me impede de ser completamente imbecil e pagar 50 dólares por uma água mineral em Las Vegas e perder diversas vezes seguidas em alguma roleta onde o BAR saiu umas quarenta vezes em menos de três horas. O tal do Caesar Palace não desmerece o nome do Imperador, mas falta aquele lavabo onde se perdem as ilusões do estômago e dos Democratas. Mas o que eu tenho para falar do Bush é que ele simplesmente acabou com as companhias aéreas americanas depois do onze de setembro. Não sei se fiquei bravo de distribuírem jujubas no vôo da American Airlines ou aqueles sanduíches de vento. Isso me lembra os tenebrosos tempos de Vasp, onde tive o prazer de ser massacrado em verdadeiras extirpações ao sentar na poltrona. Está certo, eu concordo com o sistema capitalista, mas os americanos estão exagerando na tortura.

Abraços,
Professor Mássimo

Continue lendo

quinta-feira, 13 de março de 2008

Nada novo

Hoje o blog completa um mês de existência, com pouco mais de 30 postagens.

Ainda com um mês é difícil dizer para onde iremos, mas semana que vem garanto que coisas bem legais estarão por aqui, como o início da nova série de entrevistas com os criadores de comunidades e um especial de páscoa. (:

A semana está fraca em postagens e esperamos que você esteja gostando do que lê e ouve aqui. No Brasil existem mais de três milhões de blogs e a cada dia 75 mil entram na rede. Estamos no meio dessa massa e esperamos nos destacar, mas o importante é você gostar do Whan!.


Continue por aqui e veja se algo novo aparece.

Continue lendo

segunda-feira, 10 de março de 2008

O Estilo e a Babaquice

Estar na moda não é uma das melhores nem uma das mais baratas tarefas existentes no mundo. Com esse calhamaço de estilos variados, muitos optam em ser emo, indie, patty, du rock, du skate ou até du surf.

Cada estilo arca com seu vestuário apropriado, nem sempre tão confortável ou realmente bonito. Os brothers do surf têm aquele gosto estragado em usar shorts xexelentos largos que não deviam custar mais de R$10, mas que são encontrados tranquilamente por R$50 ou mais. Nem ser emo está barato: um All Star não sai por menos de R$60, sendo que tênis muito mais confortáveis e também estilosos, mas de marcas humildes podem sair por R$25 (experiência própria).
Os indies blasés, com ar de inglês metido a besta cult desfilam por aí, neste frio de 30°, com cachecóis grossos e blusas Adidas, só pra manter o estilo. Não é fácil.
Enfim, o preço do estilo não é barato e muitas vezes não é inteligente, tomando como exemplo as patricinhas que por mérito são acéfalas.

Além disso, o estilo pode ser mentiroso, eu mesmo me passo por mano do rock no orkut, sem ao menos viver assim habitualmente.


Mas a regra é geral: Stilo, ou você tem ou você não tem.

Continue lendo

domingo, 9 de março de 2008

Momento de sabedoria do Mássimo I


Se Deus quisesse que nós voássemos, o velho teria nos dado passagens.
(Mel Brooks)

Continue lendo

Máximas do Mássimo V

Boa tarde meus caros desocupados e MINHAS CARAS DESOCUPADAS,

Vou responder mais um ocioso que me lê todos os dias. Vamos lá:

Andreas disse:
Caro Mássimo, saindo um pouco do contexto, o que você tem a me dizer sobre a maçonaria? Me parece muito bom...


Resposta: A maçonaria é um clube fechado, normalmente formado por homens (Eu ia dizer que era só de homens, mas ontem foi o dia internacional da mulher e acho que ia ficar feio discriminar estas nobres senhoras que esfriam os pensamentos em caixas quadrangulares com pequenas ondulações, onde cai água limpa) onde eles discutem e decidem assuntos de ordem política. O problema é que eles não têm nenhum poder sobre isso, então ficam lá apenas por ficar dando voltas pela mesa triangular com suas espadas e suas fantasias do carnaval passado.

Existem mais ou menos uns vinte mandamentos dos maçons. São estes:

01.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
02.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
03.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
04.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
05.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
06.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
07.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
08.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
09.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
10.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
11.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
12.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
13.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
14.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
15.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
16.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
17.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
18.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
19.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.
20.Você não pode comentar sobre a Maçonaria com ninguém.

O que vemos aqui do lado é o símbolo atual da maçonaria. Existem muitos boatos de que eles matam animais em seus rituais suas reuniões, porém tudo não passa de uma maldita mentira anti-maçônica. Eles usam capuz perto da meia-noite (para terem suas histórias narradas por Paulo Coelho em "Os mistérios da meia-noite") e assim penetrar no mundo subterrâneo dos esgotos sem sentir o cheiro putrefato de nossos cocôs. Alguns dizem que aqueles três pontos nas assinaturas dos talões de cheque tem ligação com o fato deles serem adidos da Sabesp.


Abraços,
Professor Mássimo

Continue lendo

sábado, 8 de março de 2008

Dia da Mulher para homens

Assim como disse Ethan Who em seu post, “todos os dias são das mulheres, não apenas um dia”, por isso quero dar umas dicas quentes de como você, leitor homem do sexo masculino, pode pegar algumas garotas sem muito esforço.


Trata-se de algumas frases de efeito que farão qualquer menina estremecer as pernas e se render aos seus encantos.

A primeira é pra ser usada quando você ver aquela gata na praça de alimentação do shopping. É só chegar e dizer: "Se você fosse um hambúrguer se chamaria x-princesa." É batata, brother.

Esta outra é quando você avista aquela pepita de ouro na entrada dos banheiros da vida: “Nossa, com uma bunda dessas tá convidada pra fazer cocô lá em casa.” Se ela não gostar, ela não era pra você mesmo...


Na balada você pode dar uns catos em muito mais gente aplicando o seguinte:

“Que lindas pernas, que horas elas abrem?”

“Você é que nem sucrilhos, desperta o tigre em mim.”

“Você bebe Nescau, por que tem uma energia que dá gosto.”

Se você é do tipo tímido, é só dizer: “Meu amigo ta perguntando se você quer ficar comigo.”

Para aquelas mais difíceis: “Não faz cu doce que eu sou diabético.”



E por aí vai, seja criativo, meu filho. Espero te ajudar a propagar o amor no mundo.

Continue lendo

Dia das Mulheres

Não vou fazer uma super parabenização por dois motivos: 1) com certeza meus companheiros de blog já farão isso, então faço das palavras deles as minhas e 2) todos os dias são das mulheres e não somente uma vez por ano.

Mas como todo o mundo comemora hoje, vou deixar de clichêzice e falar sobre uma nova promessa da música indie; e não estou falando de Kate Nash. É uma garota muito mais perto do que você possa imaginar. Falo de Mallu Magalhães, que ficou conhecida depois de colocar algumas músicas em seu MySpace. E ela tem, acredite ou não, apenas 15 anos.

Com composições próprias, letras em inglês, melodia folk e uma excelente perfomance ao vivo, Mallu tem mais de 400 mil visitas em seu perfil. Ela é mais um sucesso repentino da internet, seguindo a linha de muitas bandas que estouraram graças ao MySpace. No seu aniversário de 15 anos ela pediu dinheiro aos pais, e com ele conseguiu gravar quatro músicas (as que estão no MySpace). A MTV que não é boba nem nada já laçou a menina, que aparece quase sempre em algumas vinhetas-comerciais da emissora.

O que eu acho da Mallu? Um raro exemplar brasileiro. A garota gosta de Beatles, Johnny Cash e Bob Dylan. Tem uma voz muito suave e suas músicas me agradaram. No país dominado pela dança créu, achar uma menina assim é motivo de comemoração. E se acham que é exagero, ouçam-na.


Música: Mallu Magalhães - Tchubaruba

Get this widget | Track details | eSnips Social DNA

Continue lendo

quinta-feira, 6 de março de 2008

Parabéns, mulheres!

Mulheres do mundo,

Antes de tudo, quero agradecer todas as mulheres com quem já me casei e das que ainda vou me divorciar. Sem vocês eu jamais enriqueceria o dono do cartório com tantas certidões. Parabéns para as mulheres que não muito tempo atrás queimaram os próprios sutiãs em busca da liberdade, esta mesma liberdade que trouxe gonorréia, álcool e bíblia. Parabéns para Ania, que buscou saber mais sobre a sodomia mesmo sem saber a profunda dor que ela terá no coração (não apenas no coração, tenho que salientar isso!).

Para finalizar, tenho um belo conselho para todas as mulheres do mundo: Tenha sempre um vício agradável do que uma droga de virtude chata.

Abraços,
Professor Mássimo

Continue lendo

De mulher pra mulher

Pois é, o dia internacional da mulher já está aí e o Whan! vai comemorá-lo em homenagem às leitoras mulheres do sexo feminino.


Este dia tão comum especial às damas é o reflexo de todo o esforço feito por elas durante os séculos, fazendo-as até ter o direito de usar calças. Sem dúvida, uma grande conquista.

Porém, as mulheres de hoje, diferente das feministas fervorosas que fizeram esse dia acontecer, desperdiçam todos os direitos e ganhos tão requeridos no passado em noites de farra e uma certa facilidade pra se “vender”. Há muita menina por aí que não se valoriza e ainda pensa que está fazendo bonito... Enfim, cada uma cada uma.


Para você, que ainda se aprecia e preza por esta data no calendário, parabéns e acompanhe os outros textos sobre o assunto por aqui.

Continue lendo

quarta-feira, 5 de março de 2008

Iron Maiden! - O Show.




Primeiramente peço desculpas pelo atraso com esse texto, mas eu ainda estava respirando o ar do show e só consegui escrevê-lo agora. Vamos direto ao ponto: domingo, dia 2 de março. Sendo diferente do habitual, cheguei no estádio por volta das 14h30. Achava que quem ficava dias acampando lá era trouxa, mas quando vi o tamanho das filas passei a achar o contrário. Claro que isso não foi, nem de longe, um problema, já que com toda minha maladragem consegui fazer algumas amizades e peguei um bom lugar. As 16h eu já estava na pista do show, na sombra, descansando um pouco.

Embaixo do Sol e procurando um bom lugar para ver o show; esse foi meu final de tarde. Encontrei um lugar legal e às 19h a filha do baixista do Iron, Laurren Harris, entrou no palco e fez um show de meia hora. Chato e broxante! Fiquei conversando até aquilo acabar e ela ser chutada pela platéia. Aí a chuva caiu. Foi ótima para alguns, péssima para outros, mas maravilhosa para mim. Refrescou e ainda deu ânimo para o ínicio do show (e ainda fiquei molhadinho ui).

Iron entra no palco às 20h, com o discurso de Winston Churchill. E quando o discurso terminou, "Aces High" começou e fez o estádio tremer. Maravilhosa! Simplesmente maravilhosa. Era muita gente pulando e cantando junto com Bruce. Então veio "2 Minutes to Midnight". Antes de "Revelations", Bruce começa a rir ao ver quantos fãs estão presenciando aquele momento. Em seguida era a hora de "The Tropper". Bruce apareceu vestido de soldado inglês e segurando a bandeira de sua pátria, coisa normal dele nessa música. Nem preciso falar que foi uma das músicas mais cantadas e agitadas. Logo em seguida tocaram a maravilhosa "Wasted Years" e a clássica "Number Of the Beast", cantada praticamente somente pela platéia. Depois tocaram "Can I Play With Madness?" e a enorme "The Rime Of Ancient Mariner", que com os seus 13 minutos deu tempo de sobra pra descansar e retomar as energias pra depois aguentar o fim do show.

Incrível. Eles tinham o mesmo folego de antigamente. E o meu descanço valeu a pena, pois "Powerslave" começava. Bruce, com uma máscara, continuou com a animada "Heaven Can Wait" (alguns fulanos que ganharam promoções de rádios subiram ao palco e cantaram em coro. Inveja). E então veio! "Run to The Hills" e "Fear of The Dark" foram simplesmente perfeitas! Isqueiros, celulares e, é claro, 40 mil vozes cantando. "Scream for me, São Paulo!" Nós gritamos.

Eles saem e nós, os fãs, começamos a gritar em alto e bom som "olê olê olê olê, Maiden, Maiden!". Eles voltam pro palco para o Bis, com Steve Harris segurando uma bandeira brasileira e Bruce prometendo um novo show em menos de um ano. "Moonchild", seguida da delirante "The Clairvoyant", destróem o público, que já estava praticamente acabado. Mas a força da platéia veio, não sei de onde, pois "Hallowed Be Thy Name" merecia a mesma empolgação das outras músicas. Imploramos por mais clássicos, mas esse era o final. Isso sim foi um show. Fiquei anestesiado por dias.

E que venha 2009!

Continue lendo

Falta de criatividade no meio criativo?

Num dos meios mais criativos que o homem poderia inventar, há cópias.
A publicidade, grande criadora de idéias, vive em base das idéias originais dos outros, assim como ocorre na TV e na internet.

No início da semana a Coca-Cola lançou o filme publicitário “Fábrica da Felicidade”, mega trabalhado e todo em 3D para divulgar o tal “lado Coca-Cola da vida”. Se você viu, o desfecho de toda a história é o arroto.



Muito bem. Nesta mesma semana, sem tanto alarde, mas com anúncios na página principal do YouTube e também nas janelas do MSN, a Pepsi lançou o site – muito divertido até – do Arrotês. Trata-se de uma língua em arroto, coisa de publicitário retardado doente.

Enfim, será apenas uma enorme coincidência o arroto estar ligado às campanhas dos dois maiores refrigerantes do mundo?

É, quem sabe.

Continue lendo

Jim, o mestre

Tudo nessa vida tem seu começo, muitas vezes difícil e não memorável.
Um dos maiores humoristas do mundo um dia também começou do zero e teve seu tempo de vacas magras fazendo shows por aí.

Saca só uma apresentação de começo de carreira do grande Jim Carrey


Depois de tantos shows e bons empresários ele virou o que virou. Graças a Deus.

Se você tiver um tempo veja também essas duas ótimas apresentações do cara. Na primeira ele satiriza aqueles divertidos comerciais de máquinas de suco e no segundo ele é professor de karatê.




"-Pai, nós vivemos abaixo da linha da pobreza?
-Cala a boca e entra no trailer."

Jim Carrey, ainda criança, e seu pai discutindo sobre a situação financeira da época


Continue lendo

terça-feira, 4 de março de 2008

Máximas do Mássimo IV

Certo, mais uma vez tentarei ajudar os desocupados que costumam vir aqui me encher o saco. Vamos ver o que mais um puxa-saco disse.


Carlos disse:
Iluminado Mássimo, qual sua opinião sobre a sodomia?
Parabéns pelos artigos, são os melhores do blog!


Resposta: Como sou especialista da área ativa (repito, A-TI-VA!) desta sagrada ciência, e sabendo que toda mulher de futuro tem um passado, vou tentar explicar o que penso sobre a sodomia sem citar nomes. Para começar, acho que os dois colegas articuladores deste Blog mereciam ser sodomizados pelo duvidoso gosto musical que apresentam, mas isso eu deixo ao encargo de minha gravadora na Califórnia.

Para explicar a sodomia teria que citar a Inglaterra, onde este tipo de modernidade ainda é proibida por lei (até onde me lembro!). Está certo que esta lei é pouquíssima usada e que fiz questão de transgredir em minha passagem pelo Tâmisa.

Resumindo para os ignorantes que me lêem, a sodomia nada mais é que enfiar seu tirolês em buracos de diferentes formas, cores e cheiros onde na verdade as coisas deveriam sair (estudos de cientistas comprovaram isso!), mas não é nada para ficar preocupado se você não for pobre.

Aos neo-sodomitas: Recomendo esta lubrificada e educativa plaga
Aos sodomizados: Se tiver de peidar faça-o algumas horas depois.



Cordias saudações,
Professor Mássimo

Continue lendo