terça-feira, 8 de julho de 2008

A Incongruência da Verdade

Depois de uma noite incessante de pensamentos sobre a questão da humanidade, do ser humano enquanto animal dito racional e de como nossa articuladora tem talento com as mãos, me deparei com o impasse da honestidade. Não é de hoje que todos os seres vivos pensantes (e não pensantes, no nosso caso) clamam pela verdade, mas aí me pergunto: essa tal verdade realmente existe?

Pense comigo, se você diz a alguém que não conta toda a verdade à ela, você, ao mesmo tempo, está sendo sincero por contar que você não conta toda a verdade e desonesto por não contar toda a verdade. Então o impasse é criado, pois a verdade plena, em seu estado bruto e totalmente original, existe? A resposta para isso é não! Ou talvez sim.

A dúvida em mim permanece e, sinceramente, não me esclareci nada. Acho que a única coisa que é feita de uma verdade singular é a saudosa frase do grande David Lee Roth, "O cara que disse que dinheiro não compra felicidade, não sabia onde fazer compras". Fora isso, continuo perdido e repasso, portanto, essa minha pergunta a você, leitor, que passa alguns minutos do seu dia dividindo conosco a sua falta do que fazer e também ao bendito Prof. Mássimo que, com certeza irá esclarecer isso assim como me esclareceu até que ponto o assédio sexual em ambiente de trabalho é legítimo.

Hasta.

6 comentários:

Hugo disse...

Bom, eu nunca tinha pensado nisso...

nát disse...

Eu pensaria com muita vontade de esclarecer esta questão, mas há um tempo descobri que pensar não me faz bem.
Deixa isso para o professor Mássimo (:

Gabi disse...

Honestistidade existe, mas ninguém é totalmente honesto/a.

Hugo disse...

Honestistidade?

Gabi disse...

Droga.

*Honestidade

Markus disse...

eu já havia feito uma vez e tinha acertado \o

mamãe sempre disse que eu era inteligente ;)
asuashaushuahsua